PRODUÇÕES LITERÁRIAS DEDICADAS À FORMAÇÃO

DE REVOLUCIONÁRIOS MARXISTAS QUE ATUAM NO DOMÍNIO DO DIREITO, do ESTADO E DA JUSTIÇA DE CLASSE

 

 

RENOMADÍSSIMOS OPORTUNISTAS E REFOMISTAS,

PSEUDO-MARXISTAS E REVISIONISTAS DO SOCIALISMO CIENTÍFICO

NO INTERIOR OU NAS PROXIMIDADES

DAS FILEIRAS DO MOVIMENTO PROLETÁRIO REVOLUCIONÁRIO

 

 

 

"A Revolução Francesa foi a origem da democracia na Europa.

A democracia é - e, assim, considero todas as formas de governo - uma contradição em si mesma,

uma mentira, no fundo nada senão hipocrisia, teologia - tal como nós, alemães, a denominamos.

A liberdade política é falsa liberdade, o pior modo de escravidão, a aparência da liberdade e, por essa razão, a pior servidão. 

O mesmo sucede com a igualdade política, razão por que a democracia há de ser finalmente despedaçada, tal qual qualquer outra forma de governo :

a hipocrisia não pode possuir nenhum conteúdo, a contradição nela oculta deve ser colocada às claras.

Ou verdadeira escravidão, i.e. despotismo descarado, ou então autêntica liberdade e autêntica igualdade, i.e. comunismo. 

A Revolução Francesa produziu ambas essas formas : Napoleão instaurou uma delas, Babeuf, a outra.

 

Friedrich Engels”[1] 

 

“Quando aquele sujeitinho do Wedde esteve em Londres, pela primeira vez, usei a expressão "mitologia moderna"

como designação das Deusas da "Justiça, Liberdade, Igualdade etc.", as quais voltaram a andar à solta por aí.

Isso lhe provocou uma profunda impressão, pois o próprio Wedde tem feito muito a serviço desses seres superiores.

Aos olhos de Wedde, Höchberg parecia um pouco verdühringt (EvM.: dühringisado, absorvido pelas posições de Dühring)

e Wedde possui um nariz mais afiado que o de Wilhelm Liebknecht.  (...)

 

Karl Marx”[2]

 

 

Concepção e Organização

Portau Schmidt von Köln

 

 Compilação e Tradução

Emil Asturig von München

 

Em homenagem aos lutadores proletários de Oaxaca,

encarcerados pelo Estado Burguês Pró-Imperialista Mexicano

em razão de lutarem corajosamente contra o imperialismo capitalista e seus marionetes governistas

 

EDITORA DA ESCOLA DE AGITADORES E INSTRUTORES

“UNIVERSIDADE COMUNISTA REVOLUCIONÁRIA J. M. SVERDLOV”

PARA A FORMAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E DIREÇÃO MARXISTA-REVOLUCIONÁRIA

DO PROLETARIADO E SEUS ALIADOS OPRIMIDOS

MOSCOU - SÃO PAULO - MUNIQUE – PARIS

 

ÍNDICE GERAL

 

 

CAPÍTULO I.

 

O Socialismo e a Questão Colonial

Eduard Bernstein

 

 CAPÍTULO II.

 

Lineamentos sobre a Origem do Socialismo Alemão : Introdução.

Jean Jaurès

 

CAPÍTULO III.

 

Martinho Lutero, um dos Mentores do Socialismo Alemão

Jean Jaurès

 

CAPÍTULO IV.

 

Immanuel Kant, Pai do Socialismo Individualista

Jean Jaurès

 

CAPÍTULO V.

 

Kant e Fichte, Corifeus do Socialismo Alemão

Jean Jaurès

 

CAPÍTULO VI.

 

Fichte, Fundador do Socialismo Anarquista

Jean Jaurès

 

CAPÍTULO VII.

 

O Socialismo Alemão : Obra de Hegel, Marx e Lassalle

Jean Jaurès

 

 

 

 



[1] Cf. ENGELS, FRIEDRICH. Fortschritte der Sozialreform auf dem Kontinent (Progressos da Reforma Social no Continente)(4 de Novembro de 1843), Capítulo I. Frankreich (França), in : ibidem, Vol. 1, p. 481.

[2] Cf. MARX, KARL. Brief an Friedrich Engels in Ramsgate (Carta a Friedrich Engels em Ramsgate)(1° de Agosto de 1877), in : Karl Marx und Friedrich Engels Werke (Obras de Karl Marx e Friedrich Engels), Vol. 34, Berlim : Dietz, 1966, pp. 65 e s.